Publicidade

Publicidade

22/05/2011 - 10:21

São os Pirelli

Compartilhe: Twitter

FELIPE PARANHOS [@felipeparanhos]
de Salvador

O GP da Espanha acabou com qualquer dúvida que ainda pairasse na mente de quem acompanha a F1: o que deixa as corridas emocionantes é o pneu Pirelli, não o sistema de asa móvel. A solução da questão é simples.

Em circuitos que possibilitam ultrapassagens, caso dos três anteriores a Barcelona, falou-se muito da soma dos fatores pneu e DRS como responsáveis pelo alto número de trocas de posição na pista.

Só que Montmeló é um circuito ruim de ultrapassar, todos sabem. A corrida 1 da GP3, ontem, foi chata. A da GP2, também ontem, tediosa. A segunda da GP2, neste domingo, modorrenta. Nenhuma delas tem o DRS. Assim, se a prova da categoria máxima do automobilismo tivesse emoção, pronto: o DRS teria feito a diferença.

Mas a corrida também foi chata. O desgaste dos pneus foi alto, e quase ninguém se meteu a fazer volta a menos. O que aconteceu, então, é que a degradação não chegou a ser tão intensa na pista, já que as paradas chegavam antes da perda intensa de rendimento. Se a asa móvel fosse mesmo a maior responsável pelo incremento de emoção na F1, supririam isso.

Se você acha que a F1 melhorou em 2011, agradeça à Pirelli, não ao grupo de trabalho técnico da F1.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , ,
23/02/2011 - 01:08

O legado de Mansell

Compartilhe: Twitter

FERNANDO SILVA

SUMARÉ — Um dos assuntos mais comentados da pré-temporada é o efeito que a adoção do Kers e da nova asa móvel traseira pode trazer às corridas da F1 em 2011 em termos de ultrapassagens. Pilotos como Sebastian Vettel e Fernando Alonso acreditam que os novos dispositivos não vão resolver a escassez de ação nas provas, enquanto Lucas Di Grassi acredita que tal medida vai proporcionar manobras artificiais.

Nas décadas de 80 e 90 não havia Kers, nem asa móvel, tampouco a busca incessante pelo aumento de downforce nos carros. Também não havia a enxurrada dos Tilkódromos, pistas projetadas por Hermann Tilke, que nada acrescentam à F1. Exemplos existem aos montes, como Sakhir, Abu Dhabi e Sepang. A única que se salva é Kurtkoy, na Turquia, e talvez, Xangai.

Acompanho a F1 desde 1986, época que pude assistir (via TV) um sem-número de ultrapassagens. MUITAS delas foram protagonizadas por Nigel Mansell. Claro que os tempos eram outros, os carros, circuitos, pneus, até mesmo a atitude dos pilotos nas pistas, eram sim muito diferentes. Várias variáveis, diria Humberto Gessinger. Mas no quesito ultrapassagem, o Leão se destacava dos demais. Isso é fato.

Aproveito o gancho dado pelo Blog do Capelli para falar um mais sobre o ‘Red Five’. O vídeo abaixo mostra dez minutos de um pouco do que Mansell fez nas pistas correndo pela F1, ultrapassando rivais do calibre de Ayrton Senna, Nelson Piquet, Gerhard Berger e Riccardo Patrese. A emblemática manobra sobre Berger por fora na curva Peraltada do circuito Hermanos Rodriguez, no México em 1990, obviamente, não poderia ficar de fora.

Fazendo uma breve análise sobre a carreira de Nigel, fico com a sensação que o título de 92 — conquistado com ‘um pé nas costas’ graças ao desempenho supremo do FW14 da Williams — poderia não ter sido o único. Talvez o título viesse em 86, mas o caneco foi perdido para Prost graças a um furo no pneu do carro do britânico em Adelaide; ou talvez em 91, quando Mansell ficou atolado na brita da curva First em Suzuka e viu Senna comemorar o tri.

Mansell foi um vencedor e isso não se discute. É válido recordar seu histórico na F1 e sua coragem para atravessar o Atlântico e, já na condição de campeão mundial, rumar para a Indy — pela equipe Newman-Haas — depois de ter sido chutado na Williams para dar lugar a Prost e faturar o título da categoria norte-americana em 93. Sem contar que o inglês venceu a última prova do Mundial de 1994 com a Williams de número 2, o último carro de Senna.

O legado do Leão no automobilismo é inestimável, graças à sua coragem, técnica e arrojo, ainda que, por conta dessas características, tenha cometido vários erros nas pistas durante sua carreira. Mas ainda assim, o Red Five se colocou entre os grandes da história por sua ousadia e sua postura agressiva, sobretudo nas ultrapassagens. Que a atitude de Mansell sirva de lição para os pilotos dessa geração.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , , , , ,
Voltar ao topo