Publicidade

Publicidade

01/04/2010 - 14:16

Obama, GM e USF1? Bipostos na F1? 1º de abril!

Compartilhe: Twitter

Barack Obama salvando a USF1, com a entrada da GM. Novas regras na F1, com carros para dois pilotos. Essas seriam as principais notícias do dia no Grande Prêmio… Se não fosse 1º de abril.

Como sempre, a imprensa europeia, em especial a britânica, tentou pregar peças em todos com notícias falsas no 1º de abril. Mas as matérias eram tão inverossímeis que não era nada difícil perceber que se tratava de uma brincadeira.

Obama e GM salvam USF1

O site “Paddock Talk” tentou vender a história de que Barack Obama, presidente dos EUA, tinha decidido salvar a USF1. O governo norte-americano investiria US$ 100 milhões na equipe, salvando 60 empregos, incluindo os dos fundadores do time, Ken Anderson e Peter Windsor.

De cara já é uma história bem improvável, mas aí apareceram as dicas para chegar definitivamente nessa conclusão.

A primeira: o nome do projeto seria “Technology We Can Believe In” (“Tecnologia, nós podemos acreditar nela”), em alusão ao slogan da campanha presidencial de Obama, “Yes, We Can” (“Sim, nós podemos”).

A segunda, e matadora: a entrada da General Motors nesse projeto. Em um tempo em que as montadoras querem mais é distância da F1, é impossível imaginar que uma fábrica cheia de dívidas, que pediu proteção contra falência, vá investir em uma categoria extremamente cara como a F1.

Nem mesmo uma suposta entrevista de Windsor revelando que espera a concretização do acordo consegue dar qualquer credibilidade à notícia.

Carros bipostos na F1

Já a história do site “Forumula 1” consegue ser pior. Eles contaram que, preocupados com a falta de emoção nas corridas da F1, os diretores da categoria resolveram tomar uma decisão inesperada com uma nova regra: a partir de 2011, cada carro teria dois pilotos.

Ambos ficariam no modelo biposto, com lugares para duas pessoas, a exemplo dos que são usados para demonstrações, durante toda a corrida. Um pilotaria e o outro ficaria de co-piloto, mas haveria uma exigência: cada um precisaria comandar o carro por, pelo menos, 40% da prova.

As novas equipes já estariam insatisfeitas com os custos que certamente aumentariam para a próxima temporada, com a construção de carros com dois lugares.

Uma grande fábula, que fica mais fácil de ser desvendada com as “declarações” dadas por Eddie Jordan. “Tenho de ver o que David Coulthard acha disso e, então, discordar completamente dele”, teria dito. Tinha mais: “Essa ideia é pior do que o Kers ou ter Kimi Raikkonen na Ferrari”.

É, os europeus já foram melhores na arte de enganar as pessoas no 1º de abril.

Marcus Lellis – @marcuslellis

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , , ,
17/02/2010 - 07:52

Onde há fumaça…

Compartilhe: Twitter

O movimento de Max Mosley no ano passado em promover um aumento no número de carros no grid da F1 pode ter sido em vão. É de conhecimento público que pelo menos duas das quatro novatas estão em sérios apuros. Enquanto Virgin e Lotus já foram para a pista em Jerez na pré-temporada, Campos e USF1 ainda nem sequer falaram em apresentar os carros e ambas, curiosamente, só têm apenas um piloto confirmado.

As dificuldades financeiras da equipe espanhola estamparam os noticiários nos últimos dias e até momento nada ficou resolvido, por isso a dúvida é grande quanto à sequência dos trabalhos do time Adrián Campos, que ainda tem na sérvia Stefan uma clara ameaça. Outro imenso ponto de interrogação está na obscura escuderia de Peter Windsor e Ken Anderson.

Nesta terça-feira, a notícia de que o imóvel onde se concentra a base da equipe norte-americana, em Charlotte, nos EUA, está à venda ajudou a colocar mais fogo nas especulações sobre o futuro da estreante. É certo que um porta-voz do time se apressou em esclarecer o anúncio da venda do edifício, garantindo que a escudeira tem contrato de locação com a propriedade até 2014.

Mas só isso não foi suficiente para apagar os rumores sobre as reais condições da equipe, que ainda não apresentou nada de concreto para 2010. E isso dá ainda mais corda para Bernie Ecclestone, que disse dias atrás não acreditar no projeto do time. E fica cada vez mais a clara impressão de que, de fato, dificilmente a equipe estará no grid em 14 de março.

Desde que os demais times começaram a se movimentar para apresentar os carros deste ano, nenhuma informação a este respeito surgiu dos EUA. A única confirmação mesmo foi a da contratação do o argentino José Maria López. Depois disso, mais nada. Mas é pouco perto da onde de boatos que aparecem sobre a equipe, intensificados nesta semana.

Pois bem, nesta quarta-feira surgiu o rumor de que o time perdeu o apoio de Chad Hurley, o co-fundador do YouTube. E de que Hurley estaria agora interessado em unir forças com a Campos. A Stefan também seria a outra opção para Chad. Outro fato que veio à tona hoje foi o desligamento de Brian Bonner da USF1. Tido como uma peça chave no desenvolvimento de negócios do time, Bonner, de 50 anos, agora trabalha como é co-diretor de marketing de outra empresa, a B4.

Como se não bastasse, a time de Windsor e Anderson convive com a insatisfação dos funcionários com relação ao atraso nos pagamentos.

Evelyn Guimarães

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , ,
08/02/2010 - 13:08

Chama o Stefan

Compartilhe: Twitter

usf1-logo

Felipe Paranhos

A USF1 lançou site novo, um piloto e as desconfianças diminuíram um pouquinho. Até porque a Campos dá sinais bem mais claros de que já ajoelhou. Mas, segundo o jornalista Stéphane Samson, do “Le Parisien”, a equipe estadunidense tem problemas graves.

Citando um integrante da equipe, Samson avisa que o Type 1, carro do time, está [jornalista burro] a DOIS meses de ser concluído. Ou seja, só ficaria pronto no início de abril, depois de pelo menos dois GPs da temporada. Na melhor das hipóteses, chegaria à Malásia, para a prova do dia 4 de abril, sem fazer nenhum teste coletivo, sem fazer nenhuma volta em um circuito de F1.

O jornalista ainda menciona uma fala do funcionário do time. “Pechito [José María López, piloto contratado] veio à fábrica, mas ainda não há célula de sobrevivência.” Ou seja, não tem nem um cockpitzinho estilizado, nada.

Ô Stefan, não dá pra fazer uma equipe B?

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , ,
27/12/2009 - 22:56

O fim do silêncio

Compartilhe: Twitter

machineshop2-lg

Felipe Paranhos

A semana entre o Natal e o Ano-Novo, normalmente vazia, trouxe pelo menos uma boa notícia: a USF1 existe. Ok, ok, eu sei que eles já haviam mostrado imagens das instalações da equipe em Charlotte, mas foi com o lançamento do site oficial e a apresentação em vídeo da construção do carro de 2010 que a desconfiança diminuiu.

USF1_FACEBOOK_LogoMas, se o silêncio acabou, o mesmo não se pode dizer do mistério. Ainda não há pilotos, embora um deles deva ser José María López, e os outros rumores apontam para os mesmos nomes de três meses atrás.  Como disse o Douglas Arruda nos comentários de um outro post, não me espantaria se visse o Sébastien Bourdais, quatro vezes campeão da finada Champ Car e bastante conhecido nos EUA, no outro carro. Poderia ser “o experiente” do time.

Por outro lado, o francês nunca teve nos patrocínios seu forte. E, com ou sem vídeo, a USF1 ainda não apresentou patrocinadores — atribuição de Chad Hurley, diretor-executivo do YouTube, e não está claro se a empresa vai estampar sua marca nos carros da equipe. Chad cuida dos negócios e da engenharia financeira, Peter Windsor e Ken Anderson tratam das soluções inerentes às pistas. Foi uma boa ideia.

Campos, Lotus e Virgin: acho que todas emplacam seus carros do Bahrein a Abu Dhabi. Da USF1, já não tenho tanta certeza, embora ache que também vai vingar, pelo menos no início da temporada.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , ,
08/12/2009 - 21:43

Ah, o dinheiro

Compartilhe: Twitter

López3

Felipe Paranhos

Nessas horas, eu me lembro de Caetano e sua “força da grana que ergue e destrói coisas belas”. José Maria López deve mesmo chegar à F1, ao que tudo indica. A queda do limite orçamentário que Max Mosley lutou tanto para implementar fez com que os times novatos fizessem leilão de suas vagas — o que faz, inclusive, com que a luta pelo segundo lugar da Campos fique entre Vitaly Petrov e Pastor Argh Maldonado.

López, convenhamos, tem currículo e não é um desconhecido. Foi campeão da F-Renault Itália e da antiga F-Renault V6 antes de chegar à GP2 e dar duas lavadas no Fairuz Fauzy, seu companheiro na Dams, em 2005, e na Super Nova, em 2006 — no primeiro ano, fez 36 pontos a zero; no segundo, 30 a zero. Piloto do programa de jovens da Renault, perdeu espaço e voltou para a Argentina, onde foi quinto colocado na temporada 2007 e campeão nos dois anos seguintes da TC2000, categoria de turismo de lá.

Que é bom piloto, é fato. Mas havia perdido completamente o bonde da F1. Eu nem lembrava mais dele, inclusive. De repente, aparece com US$ 8 milhões — por ora — para levar à equipe, depois de visitar as instalações da USF1 e receber mil elogios de Ken Anderson e Peter Windsor.

Os dinheiros que López quer levar à F1 não vêm de uma grande fonte em especial, ao contrário de Maldonado com a PDVSA: por meio do Ministro do Interior da Argentina, Florencio Randazzo, López articulou um patrocínio da Secretaria de Turismo do país; com o governador da província de Santiago del Estero, Geraldo Zamora, conseguiu o apoio de empresas da região; e a Top Race, que desistiu de “comprar o passe” de Jacques Villeneuve, vai com o argentino, num inédito suporte de uma categoria a um piloto de outra. E dizem, esta não sei, que a Claro, que comprou a telefônica argentina CTI Móvil em 2008, deve estampar sua marca no macacão de Pechito, o apelido de López.

Agora, o “Clarín” crava que López negocia o apoio da Repsol YPF, empresa hispano-argentina que patrocina Jaime Alguersuari. Com essa grana, o valor chegaria ao tal 98% ao qual o piloto se refere aqui. Segundo o jornal, os dois dirigentes da USF1 vão se reunir com a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, para definir se o país está disposto a investir no piloto.

Virou leilão, mesmo. Nisso, muita gente boa vai ficar de fora e teremos Maldonados da vida na F1 em 2010, provavelmente. Como López, acho que virão outros caras que ninguém nem lembrava, cheios de grana, prontos para correr, nem que seja em algumas corridas.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , ,
Voltar ao topo