Publicidade

Publicidade

05/01/2011 - 17:39

Pede pra sair

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Vitantonio Liuzzi disse, hoje, que a Force India não conversou com ele sobre uma possível saída da equipe. Entenda: Liuzzi, ao contrário de Sutil, tem contrato para 2011. Isso porque, quando ele entrou no time como piloto de testes, fez um acordo que previa dois anos como titular. O primeiro já foi, 2011 seria o outro.

Só que Liuzzi foi ridículo em 2010. Fez 21 pontos, contra 47 de Sutil. Fez bastante besteira. Ele quer o segundo ano como titular, e parece que só ele. A pressão pela promoção de Di Resta é grande, e ninguém que não bebeu dois litros de absinto liberaria o Sutil pra ficar com o italiano.

“Britain’s next F1 Star”, tá lá na capa da Autosport, falando do Di Resta. Cheguei a ler que Liuzzi iria pra vaga do Di Resta no DTM, informação que o próprio Vitantonio negou. Pô, Tonio, tá chato, já. Pelo visto, ninguém te quer aí na equipe. Se não te ofereceram a vaga do escocês, pede você.

Eu iria pra outro lugar. O fato de um piloto não dar certo na F1 não quer dizer que ele não seja muito bom. Tonio sempre foi muito competitivo, venceu a última edição da F3000 em 2004, mas fracassou na F1. Talvez seu maior erro tenha sido se dedicar quase exclusivamente à F1 por cinco anos seguidos, fazendo apenas aparições-relâmpago em outras categorias enquanto trabalhava para voltar ao topo do automobilismo internacional.

Acho que é hora de abrir espaço em outros campos. O DTM pode ser um deles. WTCC, por que não? Como dizem aqui na Bahia… Tonho, para que tá feio.

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , ,
28/11/2010 - 10:23

O grande perdedor

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Outro dia eu escrevi aqui sobre Heikki Kovalainen, que eu classifiquei como um dos vencedores da temporada 2010 da F1, uma vez que passou a ser melhor considerado após a bela campanha com a Lotus. Mas aí me bateu uma dúvida: e o inverso? Quem perdeu mais com o Mundial deste ano?

Vocês é que respondem, levando em conta não o tamanho da equipe, mas o tamanho da queda. Eu voto em Vitantonio Liuzzi, mas meu parceiro de trabalho neste domingo, Juan Pablo Buergonueve, acha que foi Felipe Massa. E é páreo duro, mesmo.

Porque Liuzzi foi ridículo em alguns momentos, sendo eliminado no Q1 junto com as novatas, sendo pouquíssimo combativo, apesar de mostrar alguma competitividade em momentos esparsos — algo, aliás, que retrata toda a sua passagem na F1. Depois de 2010, o único empecilho imaginável para impedir a dispensa do italiano é a existência de um contrato para o ano que vem. Mas, como tem gente chegando com saco de dinheiro, não duvido que paguem a rescisão do contrato e levem a vaga.

Mas Massa tomou um grande baque. A temporada em si foi muito aquém do que se esperava, pelos motivos que já muito foram falados. O golpe de misericórdia veio ainda na Alemanha, com a perda de uma vitória praticamente certa. E, sim, eu acredito que uma vitória em Hockenheim pudesse mudar a maré. O psicológico de qualquer atleta é fundamental na atividade esportiva: a confiança, o embalo, a situação que se mostra favorável — o momentum, como se diz em inglês —, tudo isso poderia mudar o ritmo do ano de Felipe.

E Michael Schumacher, que saiu do olimpo para se tornar, novamente, um mortal? Assim como fez Diego Maradona ao aceitar o comando da seleção argentina de futebol, da qual foi demitido após a Copa do Mundo, Schumacher abdicou ao status de deus do esporte para se expor outra vez como alvo de julgamentos. Por um lado, acho improvável que algo apague seu histórico de conquistas, maior vencedor da história que é. Por outro, os mais novos tendem a vê-lo muito mais como este membro do meio do grid do que como o grande piloto, um dos maiores de todos os tempos, que é.

Cá pra nós, esse papo de perdedor me lembrou isso aqui:

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , , ,
09/02/2010 - 14:52

Resta nada

Compartilhe: Twitter

Felipe Paranhos

Há quem goste das mais diversas ideias em capacetes. Mais simples, mais presepeiro, bem-humorado, mil maneiras de pintar aquilo que o identifica diante dos outros. Mas convenhamos… Que puta capacete feio esse do Paul Di Resta. Tem tudo e não é nada.

CascoDiResta

Eu acho o do Liuzzi — esse aqui embaixo, à esquerda — um dos capacetes mais legais do grid. Tem a identificação com a bandeira da Itália, mas, como faz o Di Grassi com as cores do Brasil, não é feita de maneira berrante.

Formula One World Championship

Autor: - Categoria(s): F1 Tags: , , , ,
Voltar ao topo